Ministros Extraordinários da Comunhão

ministrosMINISTROS EXTRAORDINÁRIOS DA COMUNHÃO

O ministro extraordinário da comunhão é um leigo a quem é dada a permissão, de forma temporária e extraordinária, de distribuir a Eucaristia aos fiéis, na Missa (Celebração Eucarística) ou noutras circunstâncias, quando não há um ministro ordenado (Bispo, Padre, Diácono) que o possa fazer.

Chamam-se extraordinários porque só devem exercer o seu ministério em caso de necessidade, e porque os ministros ordinários (isto é, habituais) da comunhão são apenas os fiéis que receberam o Sacramento da Ordem. Na verdade, é a estes que compete, por direito, distribuir a comunhão. Por esse motivo, o nome desta função é ministro extraordinário da comunhão, e não da Eucaristia, visto que apenas os sacerdotes são ministros da Eucaristia, e a função dos ministros extraordinários da comunhão exerce-se apenas na sua distribuição.

 

Origem

Os ministros extraordinários da comunhão surgiram na Igreja Católica após o Concilio Vaticano II como resposta à escassez de ministros ordenados, e à necessidade de pessoas que pudessem auxiliar os ministros ordenados na distribuição da comunhão em diversas circunstâncias, tarefa que para muitos se tornava demasiado extenuante devido ao tempo e esforço despendido. A introdução de ministros leigos que pudessem auxiliar na ausência de outros ministros ordenados teve como finalidade trazer mais eficácia e dignidade à distribuição da Eucaristia.

 

Preparação e designação dos ministros extraordinários da comunhão

Os ministros extraordinários da comunhão devem ser escolhidos entre a comunidade cristã respectiva e devem ser pessoas idôneas e com boa prática cristã. Os candidatos, antes de assumirem as suas funções, recebem uma formação litúrgica e doutrinal que lhes permita exercer a sua função com a máxima dignidade e decoro.

No fim de tal formação, são admitidos pelo bispo às funções para que foram escolhidos, o que em alguns casos é feito numa celebração litúrgica. Normalmente, a função é atribuída por um determinado prazo, que geralmente pode ser renovado.

No entanto, para o caso de uma celebração em que são necessários os serviços de um ministro extraordinário da comunhão e não se encontra nenhum na assembleia, pode ser designada nesse momento uma pessoa idônea que auxilie o presidente da celebração. O missal romano apresenta, para esse efeito, uma fórmula de designação eventual de ministro extraordinário da comunhão. Neste caso, porém, a designação desse ministro cessa ao terminar a celebração.

 

Funções

São estas as funções dos ministros extraordinários da comunhão:

  • distribuição da comunhão na missa.

  • distribuição da comunhão fora da missa, aos doentes ou outras pessoas que com razão o solicitem.

  • administração do viático.

  • exposição do Santíssimo Sacramento para adoração dos fiéis (mas não a bênção com o mesmo).

Todas estas funções devem ser realizadas em caso de necessidade, ou seja, quando não houver ministros ordenados disponíveis ou em número suficiente.

 

A FORMAÇÃO

A formação de Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão deverá voltar-se para os seguintes pontos:

  • Cooperar diretamente com o pároco na Pastoral Eucarística.

  • Levar a Sagrada Comunhão aos enfermos e idosos e aos impossibilitados de irem à Igreja.

  • Auxiliar o pároco na Celebração Eucarística e na Liturgia da Palavra.

  • Agir sempre em comunhão com o pároco e sob a orientação da hierarquia da diocese a que pertence.

  • Ter como base o ministério eucarístico no qual o Corpo de Cristo nos é oferecido como alimento até que Ele venha.

 

A ESPIRITUALIDADE

O aprimoramento espiritual dos Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão deverá realizar-se dentro das seguintes normas:

  • Estudo e pesquisa dos documentos da Igreja com avaliações.

  • Retiros em grupo.

  • Reciclagem por meio de cursos, conferências, seminários e congressos promovidos em âmbito regional ou paróquia.

  • Permanente atualização teológico – pastoral à luz da Eucaristia, buscando a santificação própria e do outro.

  • Atendendo com dedicação aos serviços caritativos.

Cada Ministro, por ser perante o mundo, testemunho da ressurreição e da vida do Senhor Jesus, e sinal do Deus vivo, deve aprimorar-se na oração, praticar a penitência, conhecer os documentos da Igreja e viver a doutrina cristã.

 

ORAÇÃO DO MINISTRO

Senhor Jesus, tu me deste a graça de ser ministro e servo de teu Corpo abençoado. Quantas vezes levo o calor de tua visita aos doentes da minha comunidade e distribuo teu Corpo aos homens e mulheres famintos na hora da celebração da missa.

Tenho muita alegria em ser teu servidor e poder encontrar pessoas simples e pobres, doentes e idosas esperando a visita reconfortadora de teu amor.

Que eu seja digno servidor, que eu possa ter sempre na minha vida esta atitude de serviço e doação.

Que eu entenda, Senhor que ainda hoje, no mistério do sinal do Pão, tu te entregas aos homens e te serves de minhas mãos e de minha vida para fazer-te oferenda.

Ensina-me a estar unido pelo teu mistério de vida, à minha comunidade, aos meus irmãos e ao pastor da minha assembleia, sinal da tua presença entre nós. Amém.